NOTÍCIAS 

Bandido do ES preso em Teixeira diz que “o mundo do crime não vale a pena”

Teixeira de Freitas – O homem que está na lista dos 10 bandidos mais procurados e perigosos do Espírito Santo, Wesley Salles Bastos, o “Chocolate”, 33 anos, que foi preso na última sexta-feira (15) por policiais da Companhia de Emprego Tático Operacional (Ceto), do 13º Batalhão da Polícia Militar de Teixeira de Freitas, disse ao jornal “A Tribuna”, de Vitória/ES, que “o mundo do crime não vale a pena”. Ele, que já foi preso diversas vezes por tráfico, porte ilegal de armas e formação de quadrilha e responde a um total de 12 processos, possuía quatro mandados em aberto por homicídio e é acusado de participação em seis assassinatos na Grande Vitória, de acordo com a declaração do delegado Danilo Bahiense, superintendente de Polícia do Interior do Espírito Santo, dada ao diário capixaba.

Droga, munições de vários calibres, dinheiro, cheques e documentos falsos adquiridos por R$ 2,5 mil.

Droga, munições de vários calibres, dinheiro, cheques e documentos falsos adquiridos por R$ 2,5 mil.

Ele estava foragido há três anos. Nesse período passou pelo Rio de Janeiro, onde comprou carteira de identidade e motorista com o nome falso de Marcelo Pereira de Oliveira, com o qual disse ter aberto uma empresa há sete meses. “A empresa é lícita. A única coisa errada foi a forma como consegui a identidade e a habilitação, que comprei cada uma por R$ 5 mil no Rio de Janeiro”, disse ele. “Eu organizava o negócio de pesca na cidade [Teixeira de Freitas], trabalhava com revenda de pescado e tirava entre R$ 15 mil e R$ 20 mil por mês”.

Quando da sua prisão no distrito de Posto da Mata, município de Nova Viçosa, Wesley estava em companhia de sua namorada, Megumi Salazar Silva, 19 anos. A estudante, que mora em Jardim da Penha, Vitória, foi presa e autuada em flagrante pelo delegado Marco Antônio Neves, titular de Teixeira de Freitas, por associação ao tráfico de drogas, e continua na Bahia. Já Wesley, autuado por tráfico de drogas, foi levado para o Espírito Santo e foi encaminhado para o presídio.

O criminoso estava sendo monitorado pelo Setor de Missões Especiais da PM, que chegou a realizar, sem êxito, uma operação para capturá-lo na residência onde morava, no Jardim Liberdade, em Teixeira de Freitas. Depois disso, desconfiado, passou a ficar mais em Posto da Mata, onde foi preso. No local, a polícia apreendeu 162 gramas de maconha, um papelote de cocaína, cartuchos de vários calibres, balança de precisão, cheques e algumas notas de dólares.

“Mundo do crime não vale a pena”

Mesmo tendo sido preso com munição, documentos falsos, drogas e material que levam ao entendimento de que estava traficando, “Chocolate” disse que não queria ser mais bandido e que estava decidido a ausentar-se do mundo do crime. “Já tinha sete meses com a empresa aberta e fui vendo que o mundo do crime não vale a pena. Essa guerra é muito complexa e só traz prejuízo”, declarou.

Ao jornal capixaba ele negou as acusações e disse que apenas foi condenado por um homicídio e é acusado em outros. E justificou: “É que eu era chefe do tráfico no bairro São Cristóvão, Vitória”.

Ele disse que começou no crime aos 14 anos por necessidade e que os problemas familiares foram a ponte que o conduziu ao mundo do crime. “Fui rejeitado pelos meus pais, fui morar com meus avós e, com 14 anos, saí para assaltar com meus colegas, coisa de adolescente. Mas, como ninguém queria me dar emprego, eu tinha que sobreviver. Afinal, ninguém sobrevive com um salário mínimo”, finalizou. Por Edelvânio Pinheiro