NOTÍCIAS 

“André Gago” foi assassinado com 14 tiros de calibres variados

Ele e o irmão foram alvejados com 38 tiros em meio a uma plantação de eucalipto no município de Ibirapuã 

Ibirapuã / Teixeira de Freitas – O jovem Lomanto André Bayer Soares, popularmente conhecido em Teixeira de Freitas pelo apelido de “André Gago”, 40 anos, foi encontrado na manhã de domingo (27), morto a tiros dentro de uma plantação de eucalipto no trecho Teixeira de Freitas / Posto da Mata, nas proximidades da Fazenda Sayonara, às margens da rodovia BR-101, altura do km 908, em território do município de Ibirapuã. Atualmente, a vítima estava sendo investigada pela Delegacia Regional de Tóxicos e Entorpecentes (DTE) e pela Polícia Federal (PF) pela acusação de envolvimento com o tráfico de entorpecentes na região de Teixeira de Freitas.

Conforme o perito criminal Bruno Mello, do Departamento de Polícia Técnica de Teixeira de Freitas, que procedeu aos exames de criminalística legal na localidade do evento delitivo, pelo menos 6 armas foram utilizadas no cenário do confronto, tanto que foram encontradas no local do crime 49 cápsulas e 8 projéteis de munições calibres ponto 40, 380, 9mm, .38 e calibre 12. “André Gago” foi assassinado com 14 tiros, disparados por armas de diversos calibres, além de um tiro de escopeta calibre 12 nas costas, que perfurou todo seu corpo.

Além de Lomanto André Bayer Soares, o “André Gago”, morto no local, o seu irmão, Luís Bayer Júnior, 37 anos, que estava em sua companhia, foi alvejado com 24 tiros e ainda conseguiu se embrenhar no mato, até que alcançou a casa de uma fazenda e pediu socorro aos seus moradores, que por meio de uma unidade móvel do Samu e sob proteção de uma viatura da Cipe/Mata Atlântica, foi socorrido para o Hospital Municipal de Teixeira de Freitas. Mesmo alvejado 14 vezes, Júnior não corre risco de morte e conseguiu dizer à polícia que ele e o irmão foram vítimas de assalto. A polícia não acredita na versão.

Embora o crime tenha ocorrido no município de Ibirapuã e deverá ter seu inquérito instaurado e concluído pela delegada Maria Luiza Ribeiro dos Santos. titular da Polícia Civil daquele município, as primeiras providências em torno do caso foram adotadas pelo delegado Marco Antônio Neves, da Polícia Civil de Teixeira de Freitas, que na tarde de domingo (27) retornou ao local com os peritos do Departamento de Polícia Técnica, em busca de mais evidências para elucidação do duplo crime.

Segundo o delegado Marco Antônio Neves, a hipótese mais provável neste primeiro momento é que “André Gago” e seu irmão Luís Júnior possam ter ido ao local para um acerto de contas com os seus matadores e durante o encontro pode ter ocorrido um desentendimento com o grupo rival, surgido a possibilidade do abate da vítima ou, talvez, a sedução dos irmãos para a localidade já estivesse na intenção dos matadores de eliminá-los. Os assassinos também levaram a caminhonete de “André Gago”.

Recentemente, Lomanto André Bayer Soares, o “André Gago”, 40 anos, conseguiu se salvar de um atentado de morte contra sua pessoa, quando por volta das 4 horas de sábado do dia 14 de abril, ele e alguns amigos e algumas mulheres se divertiam na frente da loja de conveniência do Posto Gef, um frequentado posto de combustível situado na Avenida Presidente Getúlio Vargas, no centro de Teixeira de Freitas, por ocasião que se aproximou lentamente um elemento magro, branco, trajando calça jeans, camisa de malha verde e tênis branco, encapuzado por uma toca ninja preta e com uma arma em punho, disparou inicialmente dois tiros certeiros contra a cabeça de Erivaldo da Silva Lima Filho, o “Neto”, 23 anos, que residia no bairro Santa Rita, em Teixeira de Freitas, tendo sofrido morte instantânea. Já seu amigo “André Gago” conseguiu, na época, fugir ileso.

Em dezembro de 2011, “Neto” havia registrado uma ocorrência na Polícia Civil de Teixeira de Freitas, declarando que estava sendo ameaçado de morte por uma pessoa de Porto Seguro. E por ocasião da sua morte ele foi alvejado certeiramente com dois tiros que lhe atingiram a cabeça na altura da lateral esquerda (nuca), próximo da orelha esquerda, sendo que um projétil transfixou na temporal direita, altura da testa, e outro projétil mutilado foi extraído durante os exames de medicina legal, originário de um estojo calibre 38 e sua causa morte foi lesão cerebral por traumatismo cranioencefálico. Por Athylla Borborema.